Início arrow Notícias arrow Noticias arrow GALIZA COMPRA MAIS 53% A EMPRESAS NACIONAIS DE COMPONENTES PARA AUTOMÓVEIS
GALIZA COMPRA MAIS 53% A EMPRESAS NACIONAIS DE COMPONENTES PARA AUTOMÓVEIS Imprimir E-mail

Portugal tem sido nos últimos dois anos o principal fornecedor de peças da indústria automóvel galega.

in Supply Chain Magazine, 05-04-2018

images/stories/pdf2017/201804051100000125443.jpg

 

Em Portugal foram criadas, através de deslocações ou por processos de expansão, 240 empresas do sector de peças para a indústria automóvel, das quais 168 (70%), estão localizadas no Norte do país.

Os baixos custos e a proximidade geográfica permitiram às empresas nacionais deste sector afirmar-se como o segundo maior ponto de origem de peças e componentes automóveis para a Galiza, tendo exportado para este mercado 159,4 milhões de euros em 2017, superados apenas pelos 2.548 milhões de euros de França, país de origem do grupo PSA. Desta maneira, Portugal conseguiu abarcar alguns dos lucros franceses, tendo vindo a captar a atenção do mercado espanhol há já cinco anos.

A indústria automotive galega gira em torno da fábrica do grupo PSA, em Vigo. e graças à montagem das primeiras unidades do Citroën K9, que se encontrará disponível no Verão, o aumento de procura de peças portuguesas acelerou, tendo aumentado em 53% nos últimos dois anos. Até agora, Portugal contribuiu com cerca de 4% das peças, porém, com o lançamento do K9 estes números irão subir para os 25%. Entretanto, também as três vans apresentadas recentemente no Salão Automóvel de Genebra vão chamar, mais que nunca, a atenção do mercado português.

Esta preferência nacional por parte das empresas do ramo automóvel foi uma das responsáveis pela receita recorde de 2017 em vendas no estrangeiro, que gerou para o país 7.7 mil milhões de euros, segundo dados apresentados pela Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA). Com 25% desse lucro encontramos o nosso país vizinho, a Espanha, o principal destino de exportação deste sector português, tendo atingido um valor de quase 2 mil milhões de euros, seguida pela Alemanha, que detém uma fatia de 20%, com 1,5 mil milhões de euros.