Início arrow Noticias arrow Associações europeias da indústria de componentes automóveis reuniram no Porto
Associações europeias da indústria de componentes automóveis reuniram no Porto Imprimir E-mail

A Associação de Fabricantes para a Indústria Automóvel (AFIA), que representa Portugal na Associação Europeia dos Fornecedores da Indústria Automóvel (CLEPA), organizou na sua sede no Porto a reunião semestral das associações nacionais europeias.

in Vida Económica, 22-12-2017

images/stories/pdf2017/9845789002.jpg

A Invicta recebeu a reunião semestral da CLEPA.

 

Estiveram representadas as principais organizações homólogas da AFIA: Alemanha (VDA), Dinamarca (AUTIG), Espanha (SERNAUTO), França (FIEV), Holanda (RAI), Itália (ANFIA), Luxemburgo (ILEA), Polónia (SDCM), Reino Unido (SMMT), Suécia (FKG) e Turquia (TAYSAD).

Durante a reunião, os participantes apresentaram a situação da indústria automóvel em cada um dos países, bem como as perspetivas para o próximo ano que globalmente se apresentam muito positivas.

A representante da SMMT comunicou os desenvolvimentos das negociações quanto ao “Brexit” e suas implicações para a indústria automóvel, que poderão ser críticas e que serão seguidas com atenção pelas associações europeias.

Os representantes da CLEPA apresentaram as principais linhas de atuação da associação, destacando-se a participação na iniciativa GEAR 2030 (Grupo de Alto Nível da Comissão Europeia sobre Competitividade e Crescimento Sustentável da Indústria Automóvel na União Europeia); conectividade e condução autónoma e o objetivo europeu de emissões de CO2 após 2020.

Sobre este último ponto, a CLEPA publicou em setembro 2017 a sua posição pública com recomendações técnicas para a “via europeia” na redução das emissões de CO2 de carros e comerciais ligeiros. No site da AFIA encontra-se um artigo com esta posição da CLEPA e a associação lusa indica, em comunicado, que “irá defender esta posição junto dos representantes portugueses em Bruxelas”.

Em Portugal, a indústria de componentes assegura emprego direto a mais de 47 mil pessoas e na Europa estima-se que empregue mais de 5 milhões de pessoas.