Início arrow Notícias arrow Noticias arrow SAKTHI PORTUGAL - Prémio EDP
SAKTHI PORTUGAL - Prémio EDP Imprimir E-mail

Sakthi Portugal: A fundição branca

in Jornal de Negócios, por Filipe S. Fernandes, 28-12-2017

Categoria Indústria: (Consumo anual > 1,5 GWh) Vencedor Absoluto: Sakthi Portugal Sp21, S.A

 images/stories/pdf2017/20171228175400946.jpg

Fica em Águeda e é a primeira fundição da Europa preparada de raiz para o turismo industrial. Um dos seus objectivos é de aproximar a comunidade, principalmente a mais próxima, à sua actividade industrial

 

A Sakthi Portugal é uma empresa de capitais indianos, que está em Portugal desde 2007. Emprega hoje cerca de 700 pessoas nas suas três unidades industriais na Maia, Águeda e Trofa. Surgiu para conceber, desenvolver e produzir componentes de segurança crítica (travões, suspensão, transmissão, motor e direcção) em ferro nodular para a indústria automóvel. Em 2017 o seu volume de facturação deve atingir os 110 milhões de euros.

A nave principal da nova fábrica em Águeda apresenta zonas de iluminação translúcida nas fachadas orientadas a Norte, valorizando a entrada de luz natural para o interior durante grande número de horas do dia com grandes poupanças de energia e permitindo maior conforto para os seus colaboradores. A insuflação de ar exterior é feita através de um sistema de 'cooling pipes', sistema de renovação do ar interior que não é mais que um conjunto de tubos enterrados à temperatura constante da terra.

Consumidora de energia

A fundição é uma consumidora intensiva de energia eléctrica com cerca de 80% a ser consumida num único ponto do processo de transformação, a fusão, a passagem do ferro de sólido para líquido, que representa mais de 10% no valor do produto final.

Na fusão é usado um forno de indução de 200 Hz e com capacidade de 10 toneladas. Na trasfega de entre fornos foi concebido um novo sistema de transporte através de um colherão de grande capacidade que reduz as perdas. Foi seleccionada uma linha de moldação de última geração que, com idêntico consumo de energia eléctrica relativamente a modelos anteriores, tem uma capacidade de produção superior em 20%. A Capacidade Anual de Produto Acabado necessita de 150 mil toneladas de matéria-prima em vez das habituais 160 mil toneladas.

as tintas e selantes foram utilizados materiais com baixa emissão de Compostos Orgânicos Voláteis. Os sensores de luz interiores garantem a compensação de luz diurna ou nocturna através de luminárias de baixo consumo LED, garantindo a iluminação de conforto necessária nas diversas zonas de trabalho. Vários sistemas de comando e controlo permitem uma gestão centralizada ao nível da iluminação combinados com informações de balastros DALI e sensores de luminosidade.

Tecnologia de ponta

Foi construído um grande tanque de água bruta que permite a recuperação de água da chuva, conseguindo, assim uma poupança tanto dos recursos hídricos como da energia eléctrica de bombagem. Este trabalho gerou uma redução de 20% no consumo de energia eléctrica na actividade de exploração, uma redução do consumo equivalente duas facturas mensais de electricidade por ano.

Este projecto nasceu sob o lema 'Um projecto da comunidade para a Comunidade'. Um dos seus objectivos é o de aproximar a comunidade, principalmente a mais próxima, à sua actividade industrial e ao turimos industrial. No caso das fundições de ferro, existia a imagem antiga de fábricas escuras e sujas.

Além do edifício de design moderno e inovador, a SP21 tem uma série de singularidades como a tecnologia de ponta em produção linear e o novo conceito de acabamento, através do programa Kasanova.