Start arrow News arrow Noticias arrow PSA de Mangualde regressa à produção com fim dos incêndios
PSA de Mangualde regressa à produção com fim dos incêndios Print E-mail

A fábrica da Peugeot Citröen regressou à produção esta terça-feira depois dos incêndios terem impedido que arrancassem os dois turnos de segunda-feira.

in Jornal de Negócio, por André Cabrita-Mendes, 17-10-2017

A PSA de Mangualde voltou à produção esta terça-feira, 17 de Outubro, após o fim dos incêndios neste concelho do distrito de Viseu.

"Estamos a trabalhar ao nominal, estamos a funcionar a 100%", disse fonte oficial da PSA Mangualde ao Negócios, assegurando que a fábrica não sofreu nenhum dano com os incêndios.

A produção da fábrica da Peugeot Citröen esteve interrompida na segunda-feira pois tanto trabalhadores como peças destinadas à produção não conseguiam chegar à PSA por as estradas estarem cortadas devido aos fogos. Por outro lado, o fumo e as cinzas que estavam no ar colocavam em risco as condições de saúde dos trabalhadores.

"No concelho de Mangualde já não há nenhuma estrada cortada, por isso está tudo a voltar ao normal. Mesmo a nível de ambiente atmosférico está tudo completamente diferente, já sentimos muito pouco fumo no ar, mesmo a nível respiratório já estamos nos níveis normais", explica a mesma fonte.

A terceira causa para os dois turnos da fábrica da marca francesa não terem arrancado na segunda-feira era devido ao facto de muitos trabalhadores encontrarem-se a combater os incêndios de forma a proteger as suas casas e os seus terrenos agrícolas. Mas esta situação também já foi ultrapassada com o fim dos fogos naquela região.

"Como ontem choveu, os trabalhadores já regressaram ao trabalho, não havendo registo de ausências", segundo a fábrica que produz automóveis comerciais ligeiros.

A PSA em Mangualde conta actualmente com 700 trabalhadores, com a produção a dividir-se por dois turnos diários de segunda a sexta-feira. A fábrica produz os modelos Citroën Berlingo e Peugeot Partner, tendo produzido quase 50 mil unidades em 2016, mais 6,5% face ao ano anterior.